1151-SOLIDÃO
Humberto Amancio
 
Ainda sob o pós das estrelas
que neste momento não brilham
mas derretem seu brilho em mim
sentado num campo sem flores
a pensar na lua que sumiu
e no sol que não vai aparecer
me sinto perdido e só no cosmos.
Sei e dizem que sei
que tudo é passageiro
mas não é o tempo que penso
e sim a vida como vida
e dona do tempo...
Por isso não espero nessa solidão
tento ver além desse cosmos desfeito
e encontrar outra dimensão
onde as estrelas, o sol e a lua
não sejam expectadores desfeitos
de uma solidão que sinto
mas sim agentes que me levem
a sair dessa solidão sem amor
sem na verdade eu mesmo.
E esse pensar me faz pensar
vou continuar a procura
mesmo sabendo que terei
que ir até o infinito
ou outras dimensões
mas encontrarei esse amor
que existe dentro de mim
mesmo estando só.
 
******

152-Hoje senti saudades,
Não de tempo vividos nem de antigas saudades,
Mas de uma saudade que nunca foi minha e não me pertenceu...
 
Uma saudade diferente!...
Um alguém que eu não conhecia,
Que chegou sem avisar; -- depois se foi...
S u m i u ...
 
Esta saudade fumaça, sem forma, sem identidade,
Foi entrando, me expulsando,
Ocupando todo o meu espaço.
 
Saudade gostosa...
Chegou sem lembranças, sem passados...
Despedidas ou partidas...
 
E saiu também sem me avisar,
Deixando um vazio...  E uma grande saudade
De alguém que encheu um espaço dentro de mim...
Onde nunca esteve ninguém.
 
Vou estar esperando sempre por você
Saudade/Fumaça...
 
Agora consistente, com muita cor, sabor e jeito de gente,
Que deixou lembranças de chegadas e partidas...
 
Saudade...   Você me fez acreditar
Que posso esperar agora por alguém que eu não conhecia,
Mas que vai voltar sem me avisar,
Invadir o meu espaço
E como Fumaça, me sufocar de amor...
 
A Luz de um Poeta
Psicografia Maju
 
02/06/2006
 
******

153-Por que choras, coração
José Maciel

Eu choro pela saudade,
por uma bela amizade,
por um ombro onde eu possa
lamentar o meu sofrer.

Eu choro por um alguém,
ainda não encontrado,
por momentos verdadeiros
entre um par apaixonado.

Eu choro por um amor
que traga paz, alegria,
que seja no dia-a-dia
lenitivo a minha dor.

Eu choro pelo abandono,
eu choro por solidão
na caminhada entre sonhos,
em busca de nova paixão.

Não quero que meu lamento
fuja da realidade,
porque a bem da verdade
muito de amor eu vivi.

Quantas vezes eu sorri,
por promessas e sonhos vãos,
por tanto encontro marcado,
mas nunca realizado.

Eu choro pois sinto falta
de um abraço, um afago,
um aconchego um carinho,
por me sentir tão sozinho.

Vou continuar chorando
até que alguém apareça,
me traga paz e ternura,
me faça sorrir novamente.

Quem sabe seja você,
que agora vem surgindo,
quem deixará contente
esse triste coração?

José Maciel
 
****** 
154-Silêncio
Márcia Possar
 
O silêncio invade,
feito de um calar que se propaga em ondas,
em rondas, numa dança a contornar
fazendo-nos acreditar ainda mais na âncora
que escora a ponte
entre a minha saudade e a tua saudade.
 
Uma luz em abstinência!
A razão disse-nos que seria inevitável o adeus.
Oh...Deus! O que resta
a estes nossos corações indecifráveis
e qual é  resposta ao que,
um dia, se nos fez eminente,
se hoje há somente trevas
entre os limites da nossa ausência?
 
Olhares de espanto!
Entreolhando-nos desde a partida
quando não houve o choro.
E porque negamo-nos a despedida,
acabamos por continuar ligados
a um véu de poeira que só deixou dó.
Um marco em pó
onde se confinou o nosso pranto.
 
Um pressentimento espúrio!
Deu forma de sacrilégio
ao privilégio da nossa melancolia
que, à revelia, fez perder o vigor
do que se havia feito valor,
deixando-nos apenas uma prece
entre o murmúrio e o murmúrio.
 
E esse abismo râncio
ensina que a sina é ficar em silêncio.
Que esta longa espera em dor
se faz das pontes de um grande amor.
Que as lágrimas que hoje choram miragens,
apenas refletem as imagens
do dia do nosso reencontro... 
 
******
155-SOLIDÃO!
COMO DÓI!
 
Arneyde T. Marcheschi

Solidão é um grito surdo
na multidão
 na boca que procura
um pouco de amor e ternura
É a crucial dor que ataca
um coração sensível
na desesperada busca
pela vida...
pelo amor...uma mão amiga
um abraço, um sorriso
um afago...um carinho.
É sentir-se só em meio a
multidão que passa apressada
sem olhar para trás...
sem ver você.
Solidão dor que dói
dor sofrida...
que machuca a carne dorida
de um coração que está terrivelmente sozinho.
È procurar você no infinito
e chorar as tristezas
sem ter o calor de uma mão amiga
a afagar-lhe os cabelos
a enxugar o pranto.
A maior solidão é sentir
o grande vazio de se estar só.
 
Vitoria. E.E. Santo
www.vidatransparente.com.br
********
156-SOLIDÃO
Lorenzo Yucatán
 
Solidão, amor, é página virada!...
Tenho motivos para pensar assim;
Confesso que depois de tua chegada
Nunca mais existiu solidão pra mim.
 
Embora separados pela distância,
Em momento algum eu me vejo sozinho,
Há tempos me afastei dessa circunstância,
Desde que nos cruzamos pelo caminho.
 
Estás aqui comigo a todo momento,
És a companheira de todos os dias;
Aquela que me ama e me dá alento
Vejo tua alma nas tuas poesias.
 
Solidão não faz parte de minha vida,
Pois teus poemas acabaram com ela.
No meu coração já estás inserida
E trago na mente tua imagem bela.
 
Para mim, não há o menor sacrifício,
Afastar a solidão não me dá problemas;
Pois quando dela percebo algum indício,
Eu a elimino, de vez, com teus poemas.
 
Lorenzo Yucatán
23/07/2006

******
 
157-Ah! Minha Fiel Companheira...

Quisera ter de sua companhia, a lágrima da despedida
Sem sentir dos olhos meus, a ausência dos olhos seus
Seguiria de seu caminhar, os dias em sina não perdida
Dos passos a passar a limpo, da vida sem chamado ateu
 
Quisera ter de sua companhia, o riso do sim em encontro
Da verdade dos erros e acertos, marcas de minha razão
Em contrário traço do embaraço, deixado junto ao outro
Provocado com meus ciúmes, fugindo sem dar das mãos
 
Quisera ter sua companhia, a soma como real resultado
Na igualdade não aprendida, separando do bem e do mal
Divididos em partes nossas, amando para ser do amado
 
Quisera ter de sua companhia, a presença em conciliação
Sem cores definidas no azul, perdida na noite como sinal
Dos dias futuros criados em devaneios, da mestra solidão.

Ramoore

******

158-DEIXA-ME
 
Vá embora
não preciso da tua companhia
machucas-me sem piedade
faz meu coração em pedaços
rouba meu sorriso
arranca-me a lágrima
afasta de mim a felicidade...
 
Vá...
Vá de uma vez
faz tempo que moras comigo
já me cansei de ti
procure outra morada
prefiro viver só
encontre outro lugar
para fazer o teu abrigo...
 
Não mais te quero ao meu lado
por tua causa me anulei, fiz tudo errado!
Agora basta!
Posso até te reencontrar
mas, solidão
eu preciso e vou recomeçar!
 
Célia Jardim

******

159-Pedido de perdão
 
Hoje eu queria falar para você...
Demorei muito perceber meu ato precipitado que eu
quero te pedir perdão...
pela minha atitude,
pelo mal que causei.
Pois apesar de várias coisas,
eu te considero muito...
Sei que às vezes acontecem coisas,
que não queremos fazer,
mas apesar de não querermos,
a gente certas vezes sai do sério,
e acabamos cometendo erros que
causam discussões e brigas...
Quero te pedir perdão...
Pois eu cometi um grande erro magoando a você, a tina...
Perdoa-me... Você aceita? ...(acho que vai ser difícil)
E aproveitando a oportunidade queria dizer (de pouco adianta)
algumas frases de amizade para você.
Você sempre demonstrou um grande nível
de amizade, e perseverança...
Eu gosto de você, e queria ter o seu perdão
pela mágoa que deixei...
Podia eu também dizer, que perdi uma amiga,
mas ninguém perde o que nunca tive.
Também... Sei lá
me perdoa?...

LEO LONGHI

******

160-Só
Tânia Regina Cardoso
 
Presa,
nas malhas de tua rede,
senhora se faz do espaço,
estende seu abraço,
dominante, devorador,
enreda em sua teia
a saudade que margeia,
o pranto, lágrima de dor.
Silêncio absoluto,
prostrado a cada minuto,
voraz arremessa,
sua lança, sem perdão,
com precisão certeira
arranca a esperança de uma vida
que saudosa hoje fica
entregue à nostalgia
nos teus braços
SOLIDÃO.
 
SP 24/07/2006

******