31-SOLIDÃO
 
É um grito mudo
de um ser que procura
um pouco de amor e ternura.
É a cruciante dor  de
um coração perdido
na desesperante procura
de um abraço, um sorriso
um afago, um carinho.
É sentir-se só em meio  aos
que passam ocupados
sem olhar nem
se importar que existem
tristes solitários fracassados...
 
Solidão  é dor infinda
que dissolve um coração.
É procurar no infinito
é chorar pelo caminho
sem encontrar o calor
na triste procura.
Solidão é sentir
o grande vazio
de  se sentir um nada ...
quando quase termina
seu existir.
 
Wilma Lúcia
 
******
 
32-SOLIDÃO?
Mercília Rodrigues
 

Solitude, beleza e majestade !
Difere da pobreza negativa
Da solidão que fere de verdade,
Lacuna, vácuo... falta impositiva.
 

Tempo perdido, neste vazio
O não estar só na multidão?
Temeroso tu neste fastio!
Não vinga o amor o estar na solidão...
 

Nascemos sós, somente sós vivemos!
Buscamos o escapismo dos arrulhos...
Medrosos de nós, envelhecemos,
No vazio de estar só nestes barulhos!
 

A solitude abraça o teu querer.
Penetra fundo, em ti, os teus conflitos,
Querendo construir a paz no teu viver!
Templo de Deus a socorrer aflitos...
 

Floresce e pacifica nossa vida.
É partilhada a paz como atitude...
Fragrância da leveza... ser florida,
Dignificado o amor na solitude!
Tesouro oculto, benção tão divina!
Lucidez no altar de ti se erguerá.
Nascedouro de água cristalina,
Um ser completo em ti encontrarás!
 
 
******

33-MESQUINHO SOLITÁRIO
Tereza da Praia
 
Não amas ninguém,
Vives na defesa,
Fechado em tua fortaleza,
Não abres o coração a alguém.
Estas só contigo mesmo,
Andando perdida a esmo,
A solidão lhe é um prêmio
Neste disfarce de falso boêmio.
Teu medo de amar te faz solitário,
Tua falta de coragem de se dar à vida,
Amar, ser amado, ferir , ser ferido
Enfrentar todos dos riscos
Faz-te este bicho arisco
Só, sozinho, solitário,
Numa situação lastimável.
Não dás amor a quem te pede,
Não sabes receber amor do ser amante
Sofres da maior solidão do mundo,
Mais fria que o gelo,
mais dura que o diamante.
Queimas tuas emoções,
Como mendigo
Triste, pobre, infecundo
Não te dás aos amigos,
Não te entregas às paixões,
Refletes a angustia e a tristeza
Perdes o encanto e a beleza
Prisioneiros de tuas defesas,
De teus afetos mercenário.
Espalhas pedras em tuas trilhas
Enclausuras na torre do teu castelo.
Construístes tua própria armadilha
Mesquinho solitário
 
******
34-SOLIDÃO
Efigênia Coutinho
 
Toda Terra está cheia de Solidão,
porque é ela o repouso da vida,
que no mundo, tal como nos Homens, tem
sua pulsações, entre um e outro suspiro...
 
Entre uma e outra onda do Mar, entre um
e outro rugido da Tempestade, entre trovão
e o trovão, entre dois abalos de terremoto,
entre dois raios, murmura a Solidão..
 
A Solidão reveste-se sempre cheia de sombra e
mistérios, que vibram duma cara, duma suave melancolia.
Eu gosto da Solidão, longa, muito longa! Pois, para mim,
é braço de seda e de versos na alameda do coração!
 
Nas longas Solidões, os olhos fitam-se e aprofundam-se
uns nos outros, e falam sem palavras, numa língua
que não tem sons, mas que tem em si o tom de todas
as línguas que os Homens falam e escutam na Terra!
 
Vem! Solidão, com um beijo à boca palpitando,
Vem dar-me a extrema-unção do meu Amor !
 
Balneário Camboriú
 
******
 
35-SOLIDÃO
Maria Nogueira Martinelli
(Sapeka)
 
E de novo essa minha amiga e companheira,
que há tanto tempo me segue, hoje veio me saudar!
Entre querida, a casa é tua, fizeste dessa morada o teu lar!
Me acostumei com teu silêncio e teu jeito sorrateira,
de ir entrando sem convite de mansinho, sem sequer me consultar!
Mudei a fala, hoje sou eu que te convido e estranho zombeteira,
se te atrasas, parecendo que de mim quer apenas pirraçar!
Não faça assim, sinto falta se finges que não vem querendo enganar!
Não sabes que reluto e tenho medo de ficar partida ao meio,
se um dia por engano alguém tentar de ti me separar?
Então não brinques minha amiga, ou vai embora ou entre pra ficar!
 
******
 
36-SOLIDÃO
 
A solidão me invade
Sua lembrança é constante
Insiste em me acompanhar
Ela é tanta que nem cabe
No espaço consonante
Que me é lícito ocupar
 
A solidão é saudade
Que me deixa ofegante
Sem poder me aliviar
Não sei se é por maldade
Que se faz sempre presente
Tentando me provocar
 
Solidão, ela é esperta
Um tanto beligerante
Não se deixa afastar
Penso que ela acoberta
De maneira elegante
O que me faz recuar
 
A solidão em verdade
Talvez seja a companhia
Que busco no exterior...
Quem sabe a oportunidade
De romper a agonia
Na tirania da dor?
 
A solidão me fascina
Quando vem impunemente
Latejando com vigor
Minha alma pequenina
Recolhe-se humildemente
Buscando amparo no amor
 
Priscila de Loureiro Coelho
 
******

37-"SOLIDÃO"
Nara Pamplona
 
Sentimento sorrateiro...
Invade os corações sem resquícios de culpa
Sufocando-os em apertos sem trégua
Trazendo inquietude sem remédio aparente!
 
Esgueira-se, devagar...
Assume, em abraço implacável
Espaços outrora palcos de alegrias
Atingidos pelo sofrimento e dor de perdas!
 
Força que mina e destrói espíritos conturbados
Levando-os,  por vezes,  a se sentir estrangeiros em solo próprio
E ao esquecimento daqueles que o amam e rodeiam!
 
Se resistência encontra, maliciosa,
Esgueira-se de mansinho a fingir afastamento
Para retornar, de inopino,
Com pretensões de eterna moradia!
 
Mas...
Sua força não supera o meu eu interior
Que, sem defesa, deixa-se por ela invadir
Em determinada linha do tempo e espaço!
 
Minha alma alimentada e perfumada
Pela energia branda, mas firme do amor existencial
Não sem grandes lutas
Derrotando-a, expulsa-a sem possibilidade de retorno!
 
E , vencedores, vicejam....
O brilho do meu olhar
A largueza do meu sorriso
A felicidade no somente existir!
 
Rio de janeiro, 27/05/2006
 
******
 
38-LUZ DO AMOR
(Carvalho Branco)
 
Porque sentir-te assim em solidão,
Perdida nesta vida, desalento?...
Descompassado bate o coração,
Qual folha seca cai, rolando ao vento...
 
Por que caminhar, então, sem rumo,
Desvalida de sonhos e quimeras...
Sem buscar eixo,nem seu próprio prumo?
Por que lançar-te, deste mundo, às feras?
 
Se foste um dia bem capaz de amar...
Se hoje tens do passado o que lembrar,
Aleluia, pois, és abençoada!...
 
A mão de Deus pousou em tua fronte...
Fez de teu coração a bela fonte...
Da luz que iluminou a tua estrada!...
 
******
 
Glosando Delcy Canalles
Gislaine Canales
 
39-SOLIDÃO E VAZIO
 
MOTE:
 
Chega o inverno, aumenta o frio,
que eu sinto dentro do peito,
e a solidão e o vazio
resistem, sós, no meu leito!
 
Chega o inverno, aumenta o frio,
e minha alma  enregelada,
sofre o soluço vadio,
que é um soluço sobre o nada!
 
Toda falta de ternura,
que eu sinto dentro do peito,
é esta grande amargura,
de estar só, que eu não aceito!
 
De tão triste, choro e rio,
com um riso aparvalhado,
e a solidão e o vazio
nunca saem do meu lado!
 
Triste, assim, sem afeição,
vê, meu eu, insatisfeito,
que o vazio e a solidão
resistem, sós, no meu leito!
 
 
******

40-SOLIDÃO DO POETA
Sueli do Espírito Santo
 
Na madrugada tudo silencioso
na noite de temperatura tão fria
com uma paisagem assim sombria
o coração do poeta fica nebuloso
 
nebuloso pelo vazio da imensidão
sozinho, prisioneiro da ansiedade
ansioso por uma grande saudade
uma saudade abraçada com a solidão
 
sua alma está dolorida, toda inquieta
tenta e arrisca criar uma poesia
só e perdido na dor dessa agonia
versos choram a tristeza do poeta...
 
 
 
******

 

 

Voltar